sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Terra Encantada é indenizado em 52,2 mil e situação complica.

O que estava pior, pode piorar. A 19ª Câmara Cível do TJ do Rio aumentou a indenização que o parque Terra Encantada, na Barra da Tijuca, na Zona Oeste, e uma produtora de uma festa que acontecia no parque, terão que pagar a um frequentador que caiu da montanha-russa de uma altura de oito metros. De acordo com o TJ, a trava de segurança não foi suficiente para segurar o corpo preso ao carrinho. 

Na sentença da 1ª instância, o Parque Terra Encantada e a produtora da festa foram condenados juntos ao pagamento de danos materiais no valor de R$ 2,55 mil, correspondente à incapacidade laborativa temporária, danos morais de R$ 30 mil e danos estéticos no valor de R$ 7 mil. Com a apelação, a 19ª Câmara Cível aumentou o valor dos danos estéticos para R$ 20 mil e reduziu os danos materiais para R$ 2,25 mil.

Após o acidente, a vítima ficou 40 dias internado em hospital público, sendo 22 dias em coma. Somando os danos materiais, morais e estéticos, o valor da indenização ficou em R$ 52,2 mil.
De acordo com o TJ, após o acidente, a vítima demorou quase uma hora para ser socorrida, pois no local não havia bombeiros ou socorristas. Ele foi submetido a várias intervenções cirúrgicas, pois teve afundamento do crânio e face, e perdeu massa encefálica.

Segundo o magistrado, a alegação de que o autor não obedeceu à orientação que lhe foi passada, no sentido de segurar a trava do carrinho deve ser refutada. “De acordo com o laudo do Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE), segurar na barra de ferro do brinquedo não é determinante para segurança de quem utiliza um brinquedo que faz várias manobras perigosas, anda em alta velocidade e as pessoas ficam de cabeça para baixo”, explicou. Ferdinaldo Nascimento ainda concluiu que parques com atrações radicais devem ser melhor equipados para evitar esses acidentes.

Fonte: G1
--------------------------------
Conclusão: Em primeiro lugar, a Monte Aurora não tem inversão; grave falha do ICCE. Em segundo lugar, a Monte Aurora não passa de 80 km/h, a velocidade da Monte Makaya, o que leva a crer que ela não possui uma alta velocidade. Em terceiro lugar, não é de competência total do Terra Encantada em relação à barra de ferro que protege os visitantes na Monte Aurora. Se há uma falha de planejamento ou de engenharia é de competência da Zamperla, fabricante do brinquedo.

Se o Terra Encantada não recorrer da decisão, será um ponto decisivo para o fechamento de vez do parque uma vez que para pagar tal indenização e as dívidas acumuladas será necessário o leilão de seus brinquedos e pertences. Uma pena.

Um comentário:

  1. Esse G1 é fods continua insistindo que o cara caiu do makaya aff tnc.

    ResponderExcluir